Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




 

O chocolate possui um componente tóxico para os cães chamado teobromina. A teobromina  é facilmente metabolizado pelo organismo humano mas os cães não conseguem eliminar este composto com a mesma facilidade e acabam intoxicados.


 
Permitir que seu cão coma uma pequena quantidade de chocolate pode fazê-lo vomitar. Quantidades maiores podem causar tremores musculares, ataques cardíacos, hemorragias internasse, consequentemente, a morte.

 

A quantidade de chocolate que pode ser ingerida depende do tamanho do animal, mas cada individuo tem uma resistência diferente, por isso o melhor é afastar ao máximo o seu cão desse alimento.

 

 

Redobre a atenção se tiver filhos pequenos pois as crianças gostam de partilhar os seus alimentos preferidos com os seus amigos de 4 patas.

 

 É mais seguro e saudável comprar chocolates específicos para cães, feitos com ingredientes que não afetam a saúde dos animais.


 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 Professor Galopim de Carvalho

 

 

 

 Na sua infância quais foram os primeiros contactos que teve com a Ciência?

Na infância, não, mas na primeira adolescência: ajudar os irmãos mais velhos a fazer um herbário.

 

 A influência familiar condicionou, de alguma forma, o seu gosto pela Ciência e/ou as suas escolhas profissionais?

Não. Foi um professor no Liceu de Évora, no antigo 5º ano (actual 9º).

 

Que tipo de interferência exerceu na educação científica dos seus filhos?

Toda. Os únicos dois que tive cursaram, por vontade própria, Geologia.

 

Como vê o ensino (formal e não formal) das ciências em Portugal?

No formal, com muita preocupação.Se a actividade do Ciência Viva http://www.cienciaviva.pt/home/ e de alguns Museus couber no ensino não formal, estamos entre a vanguarda no que se faz por esse mundo.

 

Em que áreas científicas prevê que Portugal possa ter um maior desenvolvimento e uma maior contribuição para a melhoria do conhecimento científico mundial?

Não tenho resposta para esta pergunta. Sei, no entanto, que é urgente aumentar o nível do nosso ensino, em especial o básico.

 

Como acha que podem ser estimuladas, nas crianças, as qualidades inerentes a um bom cientista?

Ensiná-las a gostar de saber.

 

Obrigada, Professor Galopim! Cá em casa gostamos muito do seu trabalho! É já uma referência para os pequenotes

 

Mais sobre o cientista:

O  Professor Galopim de Carvalho é um dos nomes grandes da divulgação da ciência em Portugal.

Foi responsável pela promoção das Ciências da Terra entre nós, através de uma uma ação incansável, ao longo de décadas, que passou pelas suas aulas e pela sua investigação na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, pelos seus livros , pelas suas palestras de divulgação por todo o país e no mundo, pelo seu diligente trabalho à frente do Museu Nacional de História Natural (onde esteve durante mais de dez anos) e noutros locais (ainda há pouco abriu em Viseu o Museu do Quartzo, em larga medida da sua inspiração), e pelas suas sábias intervenções na imprensa escrita, na Internet, na rádio e na televisão.

Ficou sobretudo famoso pela organização da exposição sobre dinossauros-robôs que, em 1992, levou à Rua Politécnica mais de três centenas e meia de milhares  visitantes e pela sua defesa das pegadas dos dinossauros de Carenque, às portas de Lisboa.


Ganhou inúmeros prémios sendo um dos mais recentes o Grande Prémio Ciência Viva Montepio 2013 que distingue uma intervenção de mérito na divulgação científica e tecnológica em Portugal

Autoria e outros dados (tags, etc)


...

23.04.14

 

Apesar de terem uma morfologia semelhante e ao contrário do que muitas pessoas pensam, golfinhos e tubarões não são sequer “aparentados”. Os tubarões pertencem à classe dos PEIXES e os golfinhos pertencem à classe dos MAMÍFEROS ou seja, os golfinhos são MUITO mais semelhantes ao Homem do que ao tubarão.

Os golfinhos são animais de sangue quente que respiram através de pulmões, têm filhotes que amamentam e com os quais têm cuidados parentais durante 3 a 4 anos; 

Os tubarões têm as características comuns aos peixes:são poiquilotérmicos (a temperatura do corpo não é constante; varia com a temperatura do meio envolvente), extraem o oxigénio que necessitam da água, através de guelras e não têm cuidados parentais com as suas crias.

Ao contrário da crença popular, poucos tubarões são perigosos para os seres humanos. Entre mais de 375 espécies, apenas quatro estiveram envolvidas em um número significativo de mortes: o tubarão-branco, o galha-branca-oceânico, o tubarão-tigre e o tubarão-cabeça-chata

Os golfinhos são animais muito sociáveis e amigos do homem, os tubarões não estabelecem ligações de "amizade" com a nossa espécie. No entanto, ambos desempenham papéis fundamentais no equilíbrio dos ecossistemas a que pertencem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

 

 

 

 No espaço da Torre de Menagem é recriada, através das novas tecnologias, a biografia de Vasco da Gama, os espaços onde habitou no Castelo e as suas viagens e encontros pioneiros com povos e culturas desde a costa de África à Índia e à Ásia, com enfoque no que estas trocas comerciais, culturais e mentais tiveram na criação do mundo moderno e do universalismo.

 

Aprendemos alguns pormenores do quotidiano familiar de Vasco da Gama

 

 Apesar da ciência náutica portuguesa remontar ao século XIII, a expansão portuguesa obrigou a uma evolução bastante rápida, uma vez que se tornou necessário superar novos obstáculos como os que surgiram na descoberta do Caminho Marítimo para a Indía

 

 

 Seria desta janela que Vasco da Gama imaginava percorrer os "Mares nunca dantes navegados"?

 

 

 A Casa Museu tem uma vista maravilhosa sobre a cidade de Sines (e sobre a Pastelaria Vela d´ouro e os seus deliciosos vasquinhos)

 

 

 

 No final da visita ainda tivemos oportunidade de tomar de assalto as muralhas do castelo de Sines e brincar aos dragões e às princesas

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


...

23.04.14

 

 

A maior parte dos grãos de areia da praia tem origem nas rochas dos continentes, que são desgastadas (1) e arrastadas pelos rios. Esses pedaços de rocha vão ficando cada vez menores e mais arredondados à medida que vão sendo transportados (2), desde a nascente até à foz. Como os rios terminam no mar, todos os dias grandes quantidades de areia chegam às zonas costeiras e são distribuídas pelas praias através das correntes oceânicas (3).


Nota: Uma pequena parte da areia provém das conchas de animais marinhos e do desgaste das rochas da zona envolvente da praia.

Autoria e outros dados (tags, etc)


...

23.04.14

 

 

A resposta é simples: vai encher marés de outras praias, noutros locais do nosso planeta.

A maré tem como causa a atração gravitacional do Sol e da Lua. A influência da Lua é bastante superior, pois embora a sua massa seja muito menor que a do Sol, esse facto é compensado pela maior proximidade à Terra. Assim, a maré enche quando está influenciada pela atração que a lua exerce sobre a água do mar e vaza em locais que têm, durante algumas horas, menor influência dessa força. A maior ou menor atração que a lua exerce sobre a água do mar depende fortemente do movimento de rotação da Terra (além de outros fatores).

Autoria e outros dados (tags, etc)


ELVIRA FORTUNATO

22.04.14

 

Elvira Fortunato, Investigadora na área da Engenharia dos Materiais

Na sua infância quais foram os primeiros contactos que teve com a Ciência?

Nas aulas de Biologia, do antigo 5º ano (agora 9º ano), a observar as células da cebola, num microscópio óptico.

 

A influência familiar condicionou, de alguma forma, o seu gosto pela Ciência e/ou as suas escolhas profissionais?

Não de forma directa. O ver, a curiosidade e o prazer de realizar foram a minha adrenalina para o gosto pela Ciência.

 

Que tipo de interferência exerceu na educação científica dos seus filhos?

Tenho uma filha com 16 anos e acho que é impossível não a influenciar pois ela vive e partilha muitas das experiências dos pais na área da investigação científica, é tarefa impossível não falar de ciência em casa.

 

Como vê o ensino (formal e não formal) das ciências em Portugal?

O ensino, e em especial na área das ciências devia ser mais experimental, noto que devia haver mais experimentação, logo no 1º ciclo. É essencial que as crianças mexam, toquem e vejam as coisas. Desta forma a aprendizagem é quase intuitiva. Na área das ciências isto é fundamental. Costumo dar um exemplo, mesmo que não esteja relacionado com a experimentação propriamente dita mas que tem a ver com a matemática. Penso que todos ganharíamos muito se a matemática fosse acompanhada de perto por problemas concretos e não fosse ensinada de uma forma tão abstracta.

 

Em que áreas científicas prevê que Portugal possa ter um maior desenvolvimento e uma maior contribuição para a melhoria do conhecimento científico mundial?

Na área da nanotecnologia, materiais avançados e biotecnologia. Temos conhecimento e criatividade suficientes para alavancar o desenvolvimento sustentado de Portugal em áreas cruciais, como sejam da sua utilização nas Ciências da Vida, Tecnologias da Informação e Comunicação e na área da Energia, entre outras.

 

Como acha que podem ser estimuladas, nas crianças, as qualidades inerentes a um bom cientista?

Começar logo desde muito pequenino, com um ensino que englobe a realização de experiências práticas didáticas, que por serem por si muito simples e aparentemente óbvias, são o melhor passaporte para não mais serem esquecidas e permitirem um forte enraizamento do conhecimento científico. 

 

Mais sobre a cientista:

Elvira Fortunato é licenciada em Física e Engenharia de Materiais pela Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, pós-graduada em Materiais Semi-Condutores, pela Faculdade de Ciências da Universidade Nova de Lisboa e doutorada em Engenharia de Materiais (Microelectrónicos e Optoelectrónicos) também pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

 

Presentemente é Professora no departamento de Ciência de Materiais da Universidade Nova de Lisboa e diretora do Centro de Investigação em Materiais (CENIMAT).

 

É uma das líderes europeias nos estudos de electrónicos transparentes, co-inventora do conceito de papel electrónico (Paper-e®).

 

Em 2008 recebeu uma Advanced Grant do European Research Council (ERC) com o projeto “Invisible”.

 

Publicou mais de 400 artigos científicos e é editora em várias revistas internacionais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O arco-íris não existe realmente, num local exato; é uma ilusão de ótica cuja posição aparente depende da posição do observador. Todas as gotas de chuva refratam e refletem a luz do sol da mesma forma, mas somente a luz de algumas delas chega até aos nossos olhos. Estas gotas são percebidas como o arco-íris para o observador. 
Como a luz solar (luz branca) é composta de cores diferentes, quando encontra as gotinhas de chuva as cores separam-se como ocorre num prisma de vidro. Desta forma, podemos ver no céu as faixas de cores (vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil e violeta).
E sim, aparece mesmo um pote de ouro no fim do arco-íris, o problema é encontrar o sítio onde o arco-íris termina! (Just kidding!...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ontem fomos passear nas dunas.É um ótimo passeio para fazerem com os pequenotes pois, além de poderem tirar fotografias lindas, podem ensinar-lhes como vivem as plantas deste ecossistema.
É importante, antes de entrarem no sistema dunar avisarem os vossos filhos que:
Os seres vivos que vivem nestas zonas são uns notáveis sobreviventes: têm pouquíssimos nutrientes pois o solo é formado por principalmente por areias; são sujeitos a uma grande exposição solar, têm pouquíssima água disponível e são muito perturbados pelo vento que se faz sentir nestas zonas.
{#emotions_dlg.dnd} apanhar/ danificar as plantas das dunas (é punido por lei) 
{#emotions_dlg.dnd} afastarem-se dos trilhos já existentes
 As dunas são um mundo de cores e cheiros que os pequenotes adoram explorar.

 As dunas são um mundo de cores e cheiros que os pequenotes adoram explorar.

A arméria tem várias pequenas flores em cada caule formando um globo que parece uma flor só.
Muitas das plantas estão cobertas por substâncias viscosas que as ajudam a refletir a luz do sol e a minorar os efeitos da exposição solar prolongada estão sujeitas.
Outra adaptação das plantas é terem milhares de pelos claros nos caules e nas folhas que ajudam a refletir os raios solares.
Muitas plantas dunares têm crescimento radial, junto ao chão, formando grandes tufos, o que as ajuda a aglomerar as areias (que nas dunas são mobilizadas pelo vento) e a terem um solo onde se podem fixar.
Outra das estratégias mais comuns adoptadas pelas plantas das dunas é terem caules muito flexíveis o que as ajuda a resistir aos fortes ventos que se fazem sentir junto ao mar.
Terminámos o nosso passeio no esplêndido restaurante A Choupana onde o aroma a peixe grelhado se junta ao cheiro a mar e a perpétuas-das-areias criando uma mistura inebriante e inesquecível...

Autoria e outros dados (tags, etc)

MATERIAL E REAGENTES

Tina de vidro

Cotonetes

Detergente da loiça

Leite gordo

Corantes alimentares

 

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

 

1-Coloque o leite dentro da tina de forma a cobrir todo o fundo. Aguarde para o leite ficar sem qualquer agitação.

2-Adicione duas gotas de cada corante ao leite dispondo-as ao centro da tina e evitando que se mistura.

Nota: Tenha cuidado com o manuseamento dos corantes (se as crianças tiverem menos de 4 anos ajude-as neste passo)

Coloque um pouco de detergente da loiça num cotonete e coloque-o no centro do leite durante 10 segundos.

 

OBSERVEM A MAGIA DAS "VARINHAS"!!

 

Espero que, no final da experiência, ouçam o mesmo que eu:

 

 Agora explique por palavras suas

 

O leite é constituído principalmente por água mas contem, também, grandes moléculas de proteínas (caseína) dissolvidas e gotinhas de gordura em suspensão. Estas partículas estão interligadas umas às outras e são muito sensíveis a tudo que possa romper essas ligações entre elas.

O detergente da loiça vai quebrar essas ligações deixando as proteínas livres para se movimentarem e enroscarem e vai agarrar as partículas de gordura que se contorcem e mudam rapidamente de posição.

 

Ao mesmo tempo as moléculas de detergente, porque são dipolares, formam micelas ou agregados que vão agarrar as gorduras o que vai causar enrolamentos e grande agitação das moléculas de gordura.

 

Os corantes servem para se poder observar toda esta atividade invisível.

Autoria e outros dados (tags, etc)







Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D